Dicas para acertar o português ao escrever para sua organização

Parece óbvio, mas culpo a complexidade da nossa língua portuguesa. É muito desagradável ler um texto repleto de erros gramaticais ou sem seguir a norma culta escrita – quando o texto em questão se propõe a seguir, claro. Como diz o ditado, “errar é humano”. Verdade. Seria antipático apontar o dedo. Afinal, a língua portuguesa tem muitas regras e nem sempre evidentes.

Então, como diminuir os erros? Vou apresentar algumas dicas simples para as organizações que não têm condições de contratar um revisor ou um profissional de comunicação especializado em redação. São elas:

  • Escreva em um software (pode ser o Word ou o Google Docs) com a revisão automática ativada. Parece bobagem, mas apenas esta ação já evitaria grandes gafes;
  • Faça o texto com um dicionário (pode ser online) de sinônimos aberto. Ele ajudará a ampliar seu vocabulário. Este parecerá mais rico;
  • Seja preciso nas palavras. Procure encontrar as palavras exatas sobre o que quer dizer;
  • Sempre que for digitar palavras compostas (com ou sem hífen) e palavras com acento, cheque a Reforma Ortográfica da Língua Portuguesa. Dê um Google e verifique em um site confiável;
  • Se tem dúvidas sobre como uma palavra é escrita e não tem como checar, troque por outra;
  • Agora, a dica de ouro que muitos acharão antiquada (mas que fará toda a diferença). Escolha um manual de redação (veja o do Estadão ou o da Folha de S.Paulo, por exemplo) para que toda a linguagem do seu site, das suas redes sociais ou de qualquer material que você publique siga uma linha de escrita. Por exemplo, opto por “online” ou “on line”? Alguns dicionários aceitam os dois como corretos. Mas para ter uma unidade na comunicação é ideal que você escolha sempre uma maneira de escrever. E, não, deixar “online” no seu site e “on line” no seu folheto.

Se for publicar um livro ou um relatório anual, recomendo fazer orçamento com revisor. O valor investido será muito pequeno se comparado ao retorno. O resultado pode surpreender.

Espero ter ajudado. Pode ser que nem todos percebam esses pequenos erros gramaticais ou falta de linha de escrita. Mas tenha certeza que a maioria das pessoas notará que algo está estranho, nem sempre sabendo apontar a causa. Além disso, a parte jornalista da minha pessoa fica feliz quando lê um material “bem amarrado”, como dizemos no jargão jornalístico. Quem não gosta de uma história bem contada?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *